Notícias

Projeto Landell encerra mais uma etapa com a conclusão dos Cursos ATM 042

publicado: 18/12/2020 11:37

 




O SISCEAB projeta mais um largo passo rumo às comunicações do futuro

O último curso de Comunicação Data Link entre Controlador de Tráfego Aéreo (ATCO) e Piloto – CPDLC (ATM 042), realizado pelo Grupo de Trabalho do Projeto LANDELL, no Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), São José dos Campos-SP, aconteceu no período de 30 de novembro a 11 de dezembro.

Durante esses 12 dias, 13 ATCO foram capacitados na ferramenta CPDLC Continental com ensinamentos teóricos e práticos, nas salas de aula do ICEA e na Seção de Simulação de Vigilância ATS (Labsim).

A turma foi composta por militares dos Centros de Controle de Área (ACC), sendo cinco de Recife (ACC-RE), seis do Amazônico (ACC-AZ), um de Brasília (ACC-BR) e mais um do próprio ICEA.

O Curso ATM 042  apresentou aos alunos os recursos de automação e operação Data Link aplicados ao controle de tráfego aéreo, assim como os procedimentos de uso da ferramenta e, por meio da operação do simulador, facilitou o contato com os procedimentos de troca de mensagens CPDLC entre pilotos e controladores.

“Um dos objetivos do curso é, também, a valorização dessa ferramenta. Perceber essa aceitação pelo controlador é muito gratificante. Sabemos que essa mecanismo trará muitos benefícios para o dia a dia do trabalho do ATCO”, constatou o Suboficial R1 BCT Carlos José de Farias Júnior, coordenador e instrutor pleno do Curso ATM 042.

Durante a formação das turmas, alguns alunos que se destacaram, sendo convidados para atuar como instrutores. Esse foi o caso da 2º Sargento Jessica Dore Souza Melo, controladora no ACC-RE, aluna da 6ª turma de 2020, que nessa edição atuou como instrutora.

“Como aluna, fui surpreendida e fiquei encantada ao perceber como a ferramenta agrega o nosso trabalho. Aprendi com os instrutores mais antigos, apliquei esse conhecimento no trabalho e, agora, estou aqui como instrutora para repassar essas informações. É uma experiência espetacular de reaprendizagem, algo muito especial”, descreveu a sargento Jessica Dore.

Dos benefícios do uso da ferramenta, a militar disse que auxiliará muito no CPDLC Continental, pois diminuirá a possibilidade de erros. "Vamos ter uma capacidade maior de controle de tráfego aéreo, de forma mais segura e intuitiva. Essa metodologia rápida de troca de mensagens se torna mais funcional do que o VHF, já que conseguimos nos comunicar com várias aeronaves ao mesmo tempo e de maneira eficiente” - avaliou.

Durante as aulas práticas, os controladores tiveram acesso ao Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatório de Interesse Operacional (SAGITARIO), já modernizado com a ferramenta CPDLC, onde foi possível verificar a definição das mensagens (uplink e downlink) trocadas entre controlador de tráfego aéreo e piloto, além de acompanhar o histórico de troca de mensagens com as aeronaves, entre outras ferramentas que o novo sistema permite.

“Quando você ouve falar na ferramenta acredita que ela tonará mais lenta a comunicação, mas isso não é verdade. O ATCO e o piloto não terão que escrever, pois as mensagens já estarão prontas e, conforme você recebe uma mensagem, o próprio sistema já mostra as possíveis respostas”, explicou o Suboficial Farias Junior.

“Da forma como foi aplicada no SAGITARIO, a ferramenta ficou visualmente fácil de ser entendida. Hoje em dia, ficou ainda mais acessível, mesmo porque estamos na era da tecnologia”, falou a Sargento Jessica Dore.

A primeira colocada da turma é uma ATCO que chegou em junho da Escola de Especialista de Aeronáutica (EEAR) e está estagiando no ACC-AZ. A Sargento BCT Patrielle Karine Alves Martins comentou seu fascínio: “Quando você usa, se apaixona. Às vezes, no controle, diversas aeronaves chamam juntas e há muitos conflitos que você precisa resolver. Essa ferramenta nos auxilia a resolver os pequenos problemas e focar nos maiores, otimizando o nosso tempo. Conseguiremos ter mais aeronaves sob o nosso controle. Vai melhorar tanto para nós, ATCO, quanto para a tripulação. Acho que é uma grande inovação”, declarou.

Sobre a sua colocação na turma comentou: “Achei uma oportunidade incrível, pois acabei de chegar da EEAR e já tive a oportunidade de fazer o curso. Foi surpreendente ser a primeira colocada, só me dediquei, apliquei o conteúdo e acho que deu certo”.

O curso ATM 042 foi elaborado por meio das recomendações e boas práticas do DOC 100-37 GOLD (do inglês, Global Operational Data Link  Manual), da OACI (Organização da Aviação Civil Internacional). Foram, ao total, 22 turmas, nos anos de 2019 e 2020, atendendo a 189 alunos do ACC-RE e 130 do ACC-AZ. Durante esse período, foram formados 43 instrutores.

Gerente do projeto, o Capitão Especialista em Comunicações Marcelo Mello Fagundes,  do Subdepartamento de Operações (SDOP) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), se pronunciou sobre mais essa entrega do Projeto LANDELL, quando a etapa 1 de sua estratégia de capacitação obteve êxito com o encerramento da última turma do ATM042 - CPDLC. "Essa conquista torna-se especialmente importante face ao ineditismo do curso, de seu conteúdo programático para o pleno entendimento da aplicação data link, do emprego de um simulador de pilotagem e controle de tráfego aéreo por meio de data link que foi desenvolvido no âmbito do projeto e aos desafios e replanejamentos impostos pelo cenário da COVID-19", disse o Capitão Fagundes.

O trabalho do GT

Mesmo diante da complexidade apresentada, o Grupo de Trabalho do Projeto LANDELL conseguiu manter o cronograma global do projeto inalterado. "Isso é fruto de um planejamento bem estruturado e um trabalho exemplar e integrado das Unidades militares envolvidas e seus respectivos membros do GT CPDLC. Uma referência de dedicação, comprometimento e sinergia”, elogiou o Capitão Fagundes.

A próxima etapa da estratégia é o treinamento dos ATCO agindo em cenário operacional, o que deve ocorrer no início de 2021.

Projeto LANDELL

A comunicação entre pilotos e controladores de tráfego aéreo por enlace de dados (CPDLC) vem sendo utilizada no Brasil desde 2009 no Centro de Controle de Área Atlântico (ACC-AO), sob jurisdição do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III).

Vários foram os benefícios visualizados com a utilização da ferramenta no ACC-AO. Podemos citar máximas agilidade e eficiência no controle de tráfego aéreo, maior segurança aos voos e melhor aproveitamento do espaço aéreo. Pensando em melhoria não só para o espaço aéreo, mas também para o trabalho do controlador de tráfego aéreo, foi assim que surgiu o Projeto LANDELL. Em junho de 2021 será finalizada a implementação do conceito no Espaço Aéreo Brasileiro Continental.

“Estou no ACC-AO desde 2009 e, desde então, acompanhei o processo de implementação da CPDLC aqui. Toda a construção da ferramenta atrelada às necessidades reais do dia a dia do ACC Atlântico. Tudo foi pensando em sanar os problemas de comunicação específicos desse Centro, que utilizava somente a comunicação de voz, na frequência HF, bastante problemática.  Percebemos, então, com uma visão mais profunda, a necessidade e a importância da CPDLC” - afirmou o instrutor pleno do Curso ATM 042, o 1º Sargento BCT Rafael Nascimento da Silva.

Com os estudos e aperfeiçoamentos sobre a ferramenta foi percebida a necessidade dentro do continente. “Conseguimos também visualizar a facilidade que a ferramenta irá trazer para o continente, tendo em vista que toda e qualquer possível falha na comunicação será reparada com a utilização da CPDLC,  capaz de cobrir essa deficiência que porventura possa ocorrer”, finalizou o militar.

O Projeto faz parte do empreendimento “Infraestrutura e Aplicações de Comunicações Ar-Terra e Terra-Terra” inserido no Programa SIRIUS Brasil. A comunicação por enlace de dados no espaço aéreo continental tem por objetivo melhorar o gerenciamento do tráfego aéreo, diminuir a incidência de falhas de entendimento nas comunicações entre controladores e pilotos e o consequente aumento da segurança operacional, proporcionando redução de carga de trabalho do Controlador de Tráfego Aéreo e do piloto.

O Projeto foca a implementação do ACC-RE e de alguns setores pertencentes a Região de Informação de Voo Amazônica (FIR-AZ), no caso, Belém (PA), restando ainda Manaus (AM) e Porto Velho (RO).

 

Benefícios esperados

  • Contribuição voltada para a melhoria da segurança operacional.
  • Aumento da disponibilidade, confiabilidade, integridade e segurança das informações oriundas dos atuais e futuros serviços aeronáuticos fixos e móveis.
  • Maior flexibilidade e capacidade de Gestão Técnica e Operacional do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB).
  • Aumento da eficiência de coordenação entre Órgãos Operacionais adjacentes.
  • Aumento da eficiência no controle de voo nas regiões do SISCEAB.
  • Redução da carga de trabalho do piloto e do controlador.
  • Maior capilaridade para obtenção de dados para desenvolvimento de indicadores estratégicos.
  • Maior segurança nas escolhas das tecnologias a serem utilizadas.
  • Maior flexibilidade de integração dos atuais e futuros serviços do Gerenciamento de Tráfego Aéreo (ATM).
  • Maior segurança e clareza na obtenção de requisitos de alto nível (sistema), níveis inferiores (subsistemas, equipamentos e interfaces) e funcionais.
  • Ser escalonável e flexível no suporte ao fluxo de informações do ATM atuais e futuras, sem degradação dos requisitos.
 

Reportagem: 1º Ten Jor Myrian Bucharles Aguiar

Fotos de Fábio Maciel